segunda-feira, 16 de julho de 2012

Da Exploração do Trabalho, hoje...


A política laboral portuguesa promoveu e facilitou a descida dos salários para níveis que se aproximam de uma exploração do trabalho, até há uns anos, considerada impensável (ler AQUI)... Inaceitáveis, os honorários oferecidos a enfermeiros, médicos, arquitetos e, seguramente, a todos os profissionais (com horários que excedem as 8 horas e associados a requisitos de especialização ou outros), denotam uma sociedade que, vertiginosamente, vai perdendo indicadores de qualidade e que, paradoxalmente à exigência da qualificação dos recursos humanos, desincentiva os cidadãos a investir na sua formação... O distanciamento entre a sociedade e o Estado alarga-se a "passos largos", de uma forma tão evidente que, não só já nem merece condenação por parte das autoridades alegadamente defensoras do interesse público, como é por elas promovida (veja-se o caso do IEFP cujo site de emprego anuncia estas vergonhosas ofertas de prestações de serviços, ao abrigo de programas governamentais - ler AQUI)... por isso, as condições desumanas em que os trabalhadores são obrigados a viver (de que recentemente tivemos o exemplo numa empresa da Covilhã) assumem a natureza de um cenário ameaçador que arrisca, senão a generalização, pelo menos, um previsível aumento - contra tudo o que tem sido defendido pelos regimes democráticos, pela OIT, os sindicatos, a memória coletiva e... os Direitos Humanos!        

Sem comentários:

Publicar um comentário