sábado, 27 de março de 2010

O PSD, Hoje...


Pedro Passos Coelho ganhou as eleições directas no PSD com 61 % dos votos expressos. A vitória, previsível e, como tal, nada surpreendente (apesar da já conhecida estratégia dos media em efabular a realidade pela incapacidade de, com ela, se confrontar em troca de um permanente e inglório esforço em a inventar) é uma boa notícia para o panorama político-partidário português, na medida em que revitaliza as imagens públicas da vida nacional, arrastando, necessariamente (não se sabe por quanto tempo, é certo!) uma dinamização do diálogo político, importante para a governabilidade e a expectativa dos cidadãos. A vitória de Passos Coelho é, para o interior do seu partido, acima de tudo, o assinalar do fim do penoso ciclo de anomia política decorrente da queda do governo de Santana Lopes e do destrutivo período da imagem pública do PSD resultante da gestão de Manuela Ferreira Leite mas é, também, a evidência da derrota das pretensões de Paulo Rangel que nunca percebeu que a sua vitória eleitoral nas europeias resultara de uma conjugação muito particular e irrepetível (fruto, por um lado, da retaliação e desmobilização popular contra o PS num acto eleitoral de menor proximidade e, por outro lado, da unidade conjuntural de esforços sociais-democratas para a afirmação da sua imagem pública enquanto segundo partido da oposição)... sobre a vitória de Passos Coelho e a nova liderança do PSD, gostei de ler e por isso destaco os textos de Osvaldo Castro, Eduardo Pitta e Pedro Correia, respectivamente, nos A Carta a Garcia, Da Literatura e Delito de Opinião.

11 comentários:

  1. Cara Ana Paula,

    Obrigado pela referência e pelo link...e também pela atenção com que segue "A Carta a Garcia". É recíproca, como bem sabe.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Olá, Ana,
    Pedro Passos Coelho e a sua inteligente elegância a vários níveis (até na economia aplicada). Mas, sendo pragmática, o que o destaca de Rangel é o facto de ter um pulso altivo e um pensamento calculista (não verbalizado)…
    um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Ana Paula,
    como quase sempre em consonância.
    Esta eleição é boa para política portuguesa.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Caro Osvaldo,
    Muito obrigado pelas suas palavras e pela reciprocidade.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Olá Jeune Dame :)
    ... eu adoro a pertinência subtil das observações que aqui partilha :)
    Obrigado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  6. Caro Pifo,
    Obrigado pelo registo.
    Um abraço... e... volte sempre :)

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  8. Ana Paula,
    por erro meu quando mandei o meu comentário saiu com o nome (alcunha) do meu filho (Pifo).
    Por isso deve ter ficado espantada com tanta consonância...
    Um abraço.
    T.Mike

    ResponderEliminar
  9. Olá T.Mike :)
    ... de facto, estava a interrogar-me sobre quem seria o "consonante" Pifo :)
    ... fico feliz por ser a alcunha do seu filho e por o comentário pertencer a tão admirável e amigo pai :)
    ... como o comentário vinha repetido e num deles o nome real do Pifo vinha indicado optei por apagar o outro e deixar apenas este :)
    As minhas desculpas pela "protecção da privacidade" e... Aquele Abraço :)

    ResponderEliminar
  10. Caríssima Ana Paula Fitas,

    inicia-se com a eleição de Pedro Passos Coelho um novo ciclo político no PSD como nos diz. Já fazia falta um líder do segundo maior partido com mais carisma para enfrentar o primeiro-ministro, porque como nos ensina Max Weber este é um elemento fundamental da legitimação política. Embora, pessoalmente, não perfilhe o modelo de desenvolvimento sócio-económico subjacente à liderança deste novo líder parece-me benéfico para a clarificação do debate político-ideológico, embora o PEC não vá permitir grande margem de manobra. Já era necessária uma nova aragem para renovar o ambiente pestilento que contamina a credibilidade do ceptro executivo...

    Saudações cordiais,
    Nuno Sotto Mayor Ferrão
    www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  11. Carissimo Nuno Sotto Mayor Ferrão,
    Como imagina, subscrevo na íntegra as suas palavras e, se me permite, destaco, citando a pertinência da sua observação sobre a matéria em questão: "(...) benéfico para a clarificação do debate político-ideológico, embora o PEC não vá permitir grande margem de manobra(...)".
    Com votos de um bom domingo, receba as minhas melhores saudações,
    Ana Paula Fitas

    ResponderEliminar