terça-feira, 27 de julho de 2010

Leituras Cruzadas...

Não é apenas demagógico mas dramático e perigoso, o facto dos políticos das mais representativas forças partidárias evocarem, como prioridade da sua agenda, questões estruturantes da vida democrática que configuram decisivas alterações na qualidade de vida dos cidadãos (vale a pena ler o texto de Pedro Adão e Silva no Arquivo), nomeadamente, se tal postura decorre ou coincide com a opção dos meios de comunicação social com maior audiência, pelo desenvolvimento de temas sensacionalistas (ler aqui o texto de Osvaldo Castro no A Carta a Garcia)... perspectivado pelos seus autores como "modus operandi" da política, este tipo de procedimentos sustenta as declarações do Ministro dos Negócios Estrangeiros que acusa o debate político português sobre o mundo contemporâneo de se caracterizar por uma confrangedora pobreza... porque a política é muito mais do que o etnocentrismo nacionalista de pendor autoritário que subjaz à ideologia liberal do mercado e que traz à memória associações de ideias aparentemente anacrónicas mas dignas de reflexão (vale a pena ler os textos de Miguel Abrantes no Câmara Corporativa, de Weber no Mainstreet, de Carlos Barbosa de Oliveira no Crónicas do Rochedo e de Porfírio Silva no Machina Speculatrix)... e porque a realidade é muito mais importante e complexa do que nos querem fazer crer os compradores de votos que omitem a verdade e as consequências dos modelos liberais que defendem (vale a pena ler os textos de Ricardo Noronha no Vias de Facto e de Paulo Jorge Vieira no Cinco Dias).

3 comentários:

  1. Olá, Ana,
    Também fico preocupada com uma certo pluralismo dessas "questões estruturantes da vida democrática", principalmente quando há um Passos Coelho para quem a RC ñ passa de um "preço político"… (E também é óbvio que o PR não se manifesta sobre a RC – mas não é pelo facto de não conseguir impedir a promulgação da lei de revisão…!). Mais um bocadinho e ainda se vê um referendo: Será que Portugal precisa de uma constituição?
    Um abraço..

    ResponderEliminar
  2. Cara Ana Paula Fitas
    Plenamente de acordo consigo...
    Rimbaud dava cor às vogais, mas também há quem dê cores às palavras e às ideias. A Ana Paula é magnífica a usar as palavras certas em ocasiões certas, com mais ou menos reserva, mas sempre como um néctar e como que a insinuar com mestria que guarda o mistério das "coisas" que estão por revelar.
    Fruto da associação de ideias, através das "Leituras Cruzadas", consegue transmitir o lado compreensivo das "coisas" sem que este seja o mais desgastante de todos os lados e, assim, traz à luz mais uma possibilidade de debate franco, crítico e incisivo.
    Um abraço amigo, grato, solidário e feliz :)
    Ana Brito

    ResponderEliminar