quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Leituras cruzadas...

Hoje limito-me a enunciar uma série de sugestões de leituras... deixo a todos o cruzamento das informações e opiniões que refiro para que cada um conclua dos esforços de honestidade, do seu contrário e de algumas interessantes e penosas variáveis recorrentes, com que se vai construindo o país que temos e a compreensão do mundo em que vivemos:
Notas sobre o Monstro de João Rodrigues, no Arrastão;
Mais Fantasias Neoliberais de JM Correia Pinto, no Politeia;
Ele Disse Isso? e Desculpem se me enganei... de Carlos Barbosa de Oliveira, no Crónicas do Rochedo;
Cavaco, o Inevitável de Rogério da Costa Pereira, no Pegada;
Pinto Monteiro quer explicações... de Osvaldo Castro, no A Carta a Garcia;
... Esta é uma história verdadeira... de F.Seixas da Costa, no Delito de Opinião;
Como afugentar ciganos... de Bruno Gonçalves, no Aventar;
Pura Estupidez de Pedro Correia, no Delito de Opinião;
Os Miseráveis do Século XIX... de Eduardo Marculino, no História Viva.

6 comentários:

  1. Cara Prof. Ana Paula Fitas,

    Muito obrigado pela gentileza da S/ referência.
    Bom trabalho.
    Abraço,
    OC

    ResponderEliminar
  2. Ana Paula,

    Obrigada por estas "Leituras cruzadas".
    Li, tirei ilações, fiquei triste, cada vez mais triste.
    Para além de muitas outras, uma situação houve que me tocou particularmente, a relatada no Delito de opinião, intitulada "... Esta é uma história verdadeira".
    É o medo de volta, e isso assusta-me, lá como cá.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Carissimo amigo Dr.Osvaldo Castro,
    Hoje é a minha vez de dizer: qual gentileza?... é bem merecida a referência pela excelência do procedimento do Procurador-Geral Pinto Monteiro que, insistindo na transparência, não desarma perante tanta insinuação...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Teresa :)
    Obrigado pelas palavras que fazem eco de tanto sentir... é quase uma escala de entristecimento progressivo esta que nos provoca a consciência e de que a "história verdadeira" contada pelo Embaixador Seixas da Costa é paradigmática... o medo assuta... resta-nos preveni-lo :)
    Um abraço amigo e um beijinho.

    ResponderEliminar